segunda-feira, 19 de maio de 2008

Teoria do abraço


Olá, meus amores...
Disse que voltava e voltei, demorou só um pouquinho.
Há algum tempo atrás, aqui mesmo, nos comentários de um post falei sobre a necessidade do abraço para uma vida emocional equilibrada, hoje resolvi retomar o assunto. Tô bem abastecida, então o momento fica mais propício...

"De acordo com o Dr. Greg Risberg da Universidade de Medicina Northwestern de Chicago, o benefício fisiológico do abraço inclui uma redução da pressão arterial e um aumento de oxigenação do sangue. Segundo o Dr. Risberg, todos temos o que se poderia chamar de "fome da pele" e nossa saúde corre sérios riscos se não recebermos carinho continuamente na vida. Diz ainda o Dr. Risberg que para saciar nossa "fome da pele", são requeridos no mínimo quatro abraços bem dados por dia. Outros terapeutas posteriormente à publicação da teoria garante que o mais satisfatório é que sejam seis."
Essa tal de "fome da pele" deve variar muito de pessoa para pessoa, até pq, ninguém sente igual a ninguém, cada pessoa é um universo particular. Euzinha não me sinto saciado com menos de seis abraços – que eu chamo de "abraços nutritivos" – por dia. E se tiver oportunidade de mais, não perco a chance!
Afe! Coisa boa nesse mundo é sentir. Sentir as pessoas a quem amamos. Carinho é um luxo totalmente acessível, gratuito, e mais que gratificante.
O Dr. Stanley Simon da Universidade de Massachussets diz que um abraço faz mais do que expressar apenas afeto. É uma forma de ajudar a manter o organismo saudável. A pele é o órgão sensorial mais extenso de todo o corpo. Se pouco estimulado, poderemos desenvolver uma sensação de mal-estar, falta de energia e até uma tendência depressiva pela redução de serotoninas no organismo. (...)
O mundo precisa de mais abraços, de mais sorrisos, de mais afetividade...
Sinto falto do contato olho no olho, aquele abraço silencioso que diz mais do que qualquer palavra. Ao mesmo tempo que sou muito grata pelo advento da internet, que me trouxe pessoas que de outra maneira não sei se teria a oportunidade de conhecer, noto que sua facilidade nos distrai do cotato "real", mais próximo. Fico numa certa desvantagem, pq apesar de gostar de escrever e de ser bem prolixa, há um aspecto meu muito não verbal que está muito aflorado nos últimos tempos, e que fica negligenciado, em desvantagem, nesse sentido, nesse "mundo globalizado", afetado pela chamada "inércia do afastamento"...
Essa idéia já é implementada no mundo corporativo. Se funciona numa convivência não necessáriamente espontânea, entre quem se gosta é mais fácil e mais gostoso.
Bóra começar uma campanha entre amigos, bóra se abraçar, meu povo bom, que faz bem pra saúde e alegra a alma.
É sempre bom se sentir querido, e abraço verdadeiro é isso, o aconchego de dois corações amigos um bem junto ao outro.

Pra quem quiser saber mais:

http://www.youtube.com/watch?v=FNd_sBddLzM

http://oglobo.globo.com/sp/mat/2006/11/10/286602053.asp

7 comentários:

De Marchi ॐ disse...

fiquei com vontade... :)

jobi disse...

Abraçar,tocar,acarinhar é coisa maravilhosa mesmo,Mony.
Tem um escritor italiano(Léo Buscaglia)que tem um livro maravilhoso sobre o amor,o afeto.O livro se chama "Vivendo,amando e aprendendo"e fala sobre o amor,o contato,a coisa tactil do afeto.
Fala de necessidade nos sentirmos mais,nos tocarmos mais.
Tem uma passagem engraçadíssima em que ele fala que,por ser de família italiana,em todo encontro eles gastam 45 só com os cumprimentos ,depois mais 45 só com as despedidas.É abraço pra cá,abraço pra lá.Coisa maravilhosa mesmo.
Eu vejo como faz bem pro meu filho,por exemplo,o abraço,o beijo,o toque,o carinho,a mão que afaga.Ele fica muito feliz com esse carinho.
Realmente precisamos muito desse carinho,desse afeto...

웃 Mony 웃 disse...

Fique com vontade sempre, denis, pq o estoque aqui é interminável! ;)


Jobi, que bom tê-lo por aqui, querido! Apareça sempre.
Adoro Léo Buscaglia, conheço bastante o trabalho dele já tem muitos anos. Amo!
Tenho o "Vivendo..." e outro chamado "Amor". Ele é bárbaro.
Ah! Claro que faz bem um abraço, quanto mais melhor. Carinho é tudo de bom, qualquer forma dele.
Penso que as pessoas são como plantas, só que o que as nutre vai além de água e alimento, o fertilizante emocional é o toque, o abraço, o beijo, o carinho.
Não conheço coração nenhum, mesmo que o mais ranzinza, que não se abrande com um carinho. As pessoas ficam melhores quando o recebem. Se começa logo bebê, tanto melhor. teu filho de certo que será um menino muito especial, inteligente e carinhoso.
É, e o carinho faz aflorar melhor a inteligência das crianças. Existe uma massagem hindu, a xantala que é feita nos bebês desde o nascimento, estimula todos os sistemas da criança, sobretudo esterita ainda mais os vículos entre filhos e pais. vale a pena conhecer. É simples e um prazer para ambos. Na net deve ter bons sites ensinando. ;)

Ah! Eu sou afetiva demais. E dede sempre tive uma necessidade muito grande de tocar e ser tocada, adoro abraçar e beijar as pessoas de que gosto. Essa troca é boa demais!
Gosto de carinho, de dar e receber. E pra mim abraço só não basta, tem de ter beijo, cafuné, massagem, cheiro, aos montes. Nunca é demais!
Bóra dar carinho a quem se quer bem, que o mundo fica mais quentinho e colorido.

De Marchi ॐ disse...

Esse tópico rendeu... :D

웃 Mony 웃 disse...

Afe!
Shantala é com SH, depois que escrevi fiquei pensando, no dia seguinte me lembrei, depois esqueci de corrigir... :P

Rendeu sim. E ainda vai render mais, pq tenho outros posts pra breve... Outro tópico. ;)

jefhcardoso disse...

Oi, parece que este assunto já foi abandonado, isso a julgar pela data do último comentário. Mas achei de entrar por acaso, é que fiz uma poesia que me caiu do céu, e falava de abraço, então lembrei a tal teoria, coloquei como expressão de busca e me veio o seu texto. Visita meu blog? Se sim é fácil: jefhcardoso.blogspot.com; la postei a poesia do abraço.

Huguinho disse...

Olá! Achei seu blog ao procurar algo sobre a Teoria do Abraço para postar no meu (http://passosecaminhos.zip.net) e gostei do seu texto.

Abraços